political writings

Français    English    Italiano    Español    Deutsch    عربي    русский    Português

Entrevista com o médico Thabet El Masri
Gaza, um campo de lento extermínio?

Thabet El Masri, director da unidade de Cuidados Intensivos do Hospital Shifa, um hospital público da Faixa de Gaza, responde aqui às perguntas de Silvia Cattori sobre o aumento do número de bebés nascidos com malformações.

14 de Novembro de 2009 | - : Gaza Israël Palestine Crimes de guerre


Bombas de fósforo lançadas sobre uma escola da Agência das Nações Unidas para Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA) em Beit Lahiya, a 17/Janeiro/2009

Silvia Cattori: Em Junho passado, começou a ficar preocupado com o aumento do número de bebés nascidos com malformações. Estamos interessados em conhecer o resultado do estudo realizado sobre este inquietante fenómeno e queremos saber qual a sua avaliação médica. Pode dar-nos informação sobre o relatório de anomalias congénitas pré natais e pós natais constatadas passados dez meses dos ataques sobre Gaza, em termos de número de casos ocorridos e em comparação com os dados de 2008?

Thabet El Masri [1]: Sim, pois eu segui, de forma contínua, o fenómeno do nascimento de bebés com malformação congénita. Registei o número de bebés nascidos com malformações congénitas em Julho, em Agosto e em Setembro de 2009. Comparei estes dados com os números dos mesmos meses do ano de 2008. Eis os resultados: em Julho de 2009, houve no Hospital Shifa 15 casos desse tipo, contra 10 em 2008; em Agosto de 2009, houve 20 casos, contra 10 em 2008; em Setembro de 2009, 15 bebés nasceram malformados, contra 11 em 2008. O número médio de nascimentos no Hospital Shifa é cerca de 1100 por mês.

Silvia Cattori: Conhecido o relatório, causou muita emoção e inquietude. Imediatamente, muita gente atribuiu o aumento de malformações nos fetos abortados e nos recém-nascidos à utilização, pelo exército israelita, de obuses de fósforo branco. Será assim?

Thabet El Masri: Supomos que sim, mas não podemos confirmar que a utilização de armas químicas por Israel causou este aumento de malformações congénitas.

Silvia Cattori: Os bebés atingidos por malformações congénitas são todos originários de populações vivendo em campos de refugiados, populações particularmente submetidas a bombardeamentos israelitas? De que zonas são as mães?

Thabet El Masri: Os bebés portadores de malformações congénitas vêm de todo o lado da faixa de Gaza. Todavia, metade das mulheres que deram à luz bebés com malformações são originárias do campo de refugiados de Jabaliya.

Silvia Cattori: Na presente situação, que pode fazer para sossegar as mulheres grávidas que estão neste momento muito ansiosas?

Thabet El Masri: Efectivamente, nada. Não há nada que possamos fazer para garantir que os seus bebés serão normais. Como poderíamos nós impedir a presença de substâncias químicas que podem causar defeitos de nascença?

Silvia Cattori: Há em Gaza embriologistas capacitados para fazer testes genéticos?

Thabet El Masri: Infelizmente não estamos equipados para fazer testes genéticos para saber se as anomalias congénitas são devidas a factores genéticos ou a substâncias químicas. No fim de contas, trata-se de um problema genético e as substâncias químicas podem muito bem ser responsáveis por estas mutações.

Silvia Cattori: Que é feito dos investigadores internacionais que em 2006 recolheram amostras para serem testadas em laboratórios europeus? Houve resultados?

Thabet El Masri: Esse é um grande problema! Se os factores químicos são responsáveis, isso é muito difícil de provar. Como provar que são os produtos químicos que estão na origem das mutações? Como provar que os Israelitas utilizaram substâncias interditas?

Silvia Cattori: Compreendemos que, enquanto médico, o doutor esteja muito preocupado e que, na actual desesperada situação, tenha necessidade de uma ajuda internacional…

Thabet El Masri: Sim. Gostaria de sugerir algo que pudesse ajudar-nos, sem esgotar os nossos limitados recursos financeiros no domínio da pesquisa genética, que precisa de verbas avultadas. Dito de uma forma directa: seria extremamente útil convencer os israelitas a não voltarem a usar armas químicas como fizeram no Inverno passado.

Silvia Cattori: Que tipos de patologias tem observado nos bebés nascidos este Verão? Pode dar-nos exemplos de defeitos de nascença que constatou nesses bebés?

Thabet El Masri: Verificamos problemas do sistema nervoso central, hidrocefalia e anencefalia, e ainda outro tipo de malformações como cardiopatias congénitas e obstruções do tubo digestivo. Os problemas renais são muito frequentes. As malformações visíveis são raras; os problemas são geralmente internos.

Está a ver que problemas temos pela frente! As mães ficam sem defesa, nós nem temos resposta para as suas inquietações. Elas sabem que estamos sós nesta situação. Só lhes resta rezar!

Silvia Cattori: Não tem contactos com o exterior?

Thabet El Masri: Não temos absolutamente nenhum contacto com o exterior.

Dei-lhe uma visão geral do problema principal. Como lhe disse, há uma probabilidade de que as substâncias químicas possam ser uma das causas da tendência de aumento de defeitos de nascença, pois estes aumentaram desde o assalto bélico de Dezembro e Janeiro passados. Contudo, esta conclusão é impossível de provar.

Silvia Cattori: Muito lhe agradecemos esta entrevista.

Silvia Cattori

Entrevista realizada a 12 de Outubro de 2009

Traduzido da versão francesa por Maria Rodrigues, equipa TPG (14.11.2009):
http://todosporgaza.blogspot.com/2009/11/gaza-um-campo-de-lento-exterminio.html

Versão francesa (14.10.2009):
http://www.silviacattori.net/article989.html

Texto original em inglês (14.10.2009):
http://www.silviacattori.net/article987.html



[1Em Julho de 2006, num artigo sobre as consequências da ofensiva israelita de Junho de 2006 que atingiu a principal central de energia de Gaza, que alimenta a maioria da Faixa de Gaza, incluindo o fornecimento de energia aos hospitais de Gaza, ao aparato de abastecimento de água e de tratamento de esgotos, o Dr. Thabet El Masri tinha enfatizado o impacto de uma potencial falha de energia no hospital:
«O Dr. Thabet Al-Masri, o chefe da unidade do hospital para bebés prematuros, explicou que há 33 bebés que exigem incubadoras para fornecer o equilíbrio muito sensível de humidade, temperatura e oxigénio essencial para o seu desenvolvimento. Normalmente, observou, o número de nascimentos prematuros é de 50-60%, mas talvez como resultado de ansiedade por causa do cerco de Israel, actualmente o número está próximo de 70%. O Dr. Al Masri enfatizou que a natureza do trabalho dentro da secção “premie” é tal que não há meias-soluções. As vidas destes bebés estão dependentes do constante fluxo de eletricidade.» (Ver: “Al-Shifa Hospital and Israel’s Gaza Siege”, www.dci-pal.org, 16/07/2006).